Fugaz

Creio ter tomado das palavras esse hábito de escapar-me
De fugir-me a todo instante

Às vezes desconfio de que como uma maldição
Cravaram em mim sua natureza escorregadia
E assim acabei me tornando esse pau pra toda obra
- essa que carrega pedras, que arma barraca na feira,
que escreve para os jornais e no final do dia demite-se de si

Sinto-me a cada dia destinada a viver uma vida diferente
Não sei que sina é essa de ser sem ter vida própria
De ter vida, apenas

Sou descontínua como um sonho, uma piada, um minotauro
Começo absurda e termino banal
Começo animal e termino gente
- nem mesmo num mesmo espaço sei ser homogênia

Todos os dias olho para o espelho e estranhada de mim
coloco a culpa no tempo
O que sinto é que viver evapora-me.
Alucinada procuro uma consistência, uma certeza
Mas até minhas verdades são feitas de palavras e nada mais
Não sei erguer prédios a partir delas

Fugaz, passo na boca dos outros como um “bom dia”
Às vezes passo em suas mãos
Mas muitas vezes nem me tocam
Sou como um perfume vagabundo
-fácil e atraente e sobretudo sem fixidez

Ao contrário dos outros sou de despedidas
Apenas dou-me inteira porque carrego no meu princípio
o desejo da partida
Não sei amar ninguém pela metade e muito menos aos poucos
Sou de deitar-me com estranhos
(Mas é que eles não me parecem assim)
Identifico-me antes de ver as diferenças

Espero que o tempo me perdoe por ser essa traidora
Por nunca ter aprendido a respeitar suas leis
Por nunca ter conseguido controlar essa ânsia
E hoje até gostar dela
Mas como diabos se faz para se ser fiel a uma natureza traidora?
- Eis onde as palavras não dão conta.

6 comments:

Kavita Kavita February 15, 2010 at 5:22 AM  

Caracoles!!!
Q é isso?
Perfeito!!
To aki arrepiado!!!
Parece q o poema me leu...

tortima,  February 17, 2010 at 4:15 PM  

Caramba! Como é verdadeiro e belo o que vc escreve.

T

Anonymous,  February 26, 2010 at 4:09 PM  

Puxa, dá uma olhada na sinopse do livro: O corpo traído

K.

Tiago Rattes de Andrade June 10, 2010 at 12:00 PM  

"Cravaram em mim sua natureza escorregadia
E assim acabei me tornando esse pau pra toda obra"

Isso é muito bom. Parabéns!

R July 5, 2010 at 4:18 PM  

bem belo, flavia

Post a Comment

  ©Template by Dicas Blogger.